Ácido retinóico: poderoso anti-idade também trata acne, mas deve ser usado com orientação

280529_594035_imagem_facialProblemas estéticos como acne, cicatriz, manchas e rugas podem ser resolvidos com um poderoso ácido: o retinoico. Também chamado de Vitamina A ácida ou tretinoína, o ingrediente tem a finalidade de melhorar o turn over celular, fazendo com que as células rejuvenesçam, mais oxigenadas e melhor nutridas à superfície da pele, segundo a dermatologista Dra. Claudia Marçal, membro titular da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) e da American Academy of Dermatology (AAD). “É o ácido de primeira escolha realmente quando a pele está envelhecida cronologicamente ou fotoenvelhecida, justamente porque é considerado padrão ouro no rejuvenescimento domiciliar. Ele é estimulador de neocolagênese e estimula colágeno do tipo 1 e do tipo 3”, explica. Mas a médica faz um alerta: “Nenhum retinoide deve ser usado sem que haja a prescrição de um dermatologista!”

Onde e como usar — O ácido retinoico pode ser usado em concentrações que variam de 0,025 até 0,1% em casa e em cabine na forma de peelings seriados que podem ser usados em concentrações que variam de 1 até 5%. A dermatologista explica que os retinoides devem ser usados no rosto, no dorso das mãos e na região do colo (porém normalmente não mais do que uma vez por semana e em formulações extremamente ricas em hidratantes). “Quanto à quantidade do produto: um grão de ervilha numa camada sempre fina, ou seja, assim que acabo de passar, olho para o espelho e digo ‘não vejo nada’: essa é a camada ideal”, ilustra.

Cuidados — “O melhor é começar com a aplicação de duas a três vezes por semana, intercalados com nutritivos adequados àquela pele”, destaca. A especialista exemplifica: uma pele mais oleosa vai necessitar de nutritivos mais leves ou serosos ou mesmo um creme com textura mais seca e menos gordurosa; já pacientes com pele seca, ou mulheres na menopausa, ou ainda que estejam usando o retinoide num período pós-procedimento (como um laser, por exemplo), é necessário ter produtos que filmem a pele formando uma barreira de lipídeos e água para poder repor aquilo que o ácido na noite anterior causou, como irritabilidade e hipersensibilidade. “Esse creme, então, traz os micronutrientes de reparo para uma ação antioxidante, mas ele também traz o conforto, a hidratação, o lipídeo que é a gordura natural de proteção e formação da membrana hidrolipídica, que reveste a nossa epiderme”, acrescenta. “A Vitamina A é um ácido que pode ser utilizado em conjunto com outros ácidos como o ácido hialurônico, mas não deve ser usado com o glicólico ou com o mandélico; e sempre num padrão com ativos que melhorem a irritabilidade, porque se a concentração do produto for muito elevada ou o paciente abusar da quantidade, ele pode causar uma dermatite irritativa de contato, além de ser fotossensível à luz do sol.”

Riscos — Segundo a dermatologista, a vitamina A ácida pode provocar desde uma irritabilidade, vermelhidão, coceira e hipersensibilidade até uma queimadura, quando mal utilizada: em concentração acima do que a pele pode suportar, ou sendo usada de maneira inadequada, sem orientação médica. “Os retinoides, normalmente, são prescritos durante o inverno; nunca prescrevemos retinoides de uma maneira contínua porque a pele vai ficando mais fina, mais avermelhada, com aspecto muito mais delicado e isso faz com que ela tenha uma maior sensibilidade aos agressores ambientais — o que significa: mormaço, calor, luz visível e especialmente o sol”, destaca. Seu uso é obrigatoriamente noturno.

Erros comuns — A Dra. Claudia Marçal argumenta que um dos maiores pecados com relação ao ácido retinoico é querer resolver problemas como rugas, manchas, cicatrizes de acne, ou a própria acne, usando o produto inadequadamente, aplicando o ácido em excesso sobre a pele ou usando de maneira contínua ou até mesmo diária. “É muito importante seguir a prescrição do médico com os intervalos obrigatoriamente respeitados e, além disso, e mais importante, é que na manhã seguinte, a fotoproteção é indispensável”, destaca. Ela lembra que o filtro solar de preferência deve ter cor para que haja proteção extra contra luz visível. “Ele deve ser aplicado de manhã e reaplicado depois do almoço.”

O que usar conjuntamente — O ácido retinoico pode ser comprado na forma industrializada ou manipulada, de acordo com a indicação do especialista. “Pode ser utilizado com ativos clareadores como a Hidroquinona, Ácido Kójico, Alpha Arbutin, e com uma série de outros antioxidantes como OTZ 10, Alistin, Hyaxel; enfim, a formulação pode ser rica e depende, na verdade, do que estamos buscando: o tratamento de uma pele envelhecida naturalmente, uma pele fotoenvelhecida e com manchas, e até mesmo em um tratamento da acne com microcomedões inflamatórios, nos quais ele tem um papel fundamental na sua ruptura e no processo de higienização da pele. É um produto que também é utilizado na acne em pacientes jovens, só que em veículos mais leves, em concentrações diferenciadas, associados a produtos como a Nicotinamida”, sugere. No dia seguinte, ao amanhecer, a pele deve ser higienizada, tonificada e hidratada com uso de ativos que reforcem a função de barreira da pele e antioxidantes. “Logo após, usar protetor solar FPS 30, 50 ou 60 dependendo do fototipo, da estação do ano e do tipo de atividade que o paciente exerce. Recomendamos também evitar exposição excessiva ao sol”, finaliza.

Fonte: Dra. Claudia Marçal
Dermatologista da Clínica de Dermatologia Espaço Cariz, com especialização pela Associação Médica Brasileira (AMB), membro titular da Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) e membro da American Academy of Dermatology (AAD), CME (Continuing Medical Education) na Harvard Medical School.



WordPress Video Lightbox

    ENTRE EM CONTATO.
    FALE CONOSCO OU ENVIE SUA MENSAGEM AGORA MESMO.
    AQUI, NO SITE BELEZA TODAY, ESTAMOS SEMPRE PRONTOS A ATENDER A SUA SOLICITAÇÃO!


    comercial@belezatoday.com.br | tel.: (+55 21) 2284-4336