20 recomendações para proteger sua saúde no calor

shutterstock_95363824Verão intenso, com recordes de temperatura, dificuldade para dormir, trabalhar, comer. Quais são as consequências disso tudo para o organismo? Temperaturas demasiadamente elevadas podem aumentar o risco de morte precoce por doenças cardiovasculares, além de infarto e derrame. Isso porque a exposição ao calor extremo é capaz de alterar a pressão arterial, a espessura do sangue, as taxas de colesterol e a frequência cardíaca. De acordo com o Dr. Fábio Cardoso, especialista em medicina preventiva e longevidade, devemos nos manter atentos aos sinais que o corpo envia de que algo não vai bem e tomar os cuidados necessários.
Algumas consequências do calor sobre a saúde:
Insolação:
O termo insolação caracteriza o conjunto de sintomas que afeta os indivíduos que ficam expostos excessivamente à luz solar, resultando em um aumento de temperatura do organismo acima dos limites fisiológicos.
Esta condição não é muito frequente, mas pode ser letal. Diferentes problemas de saúde podem estar associados ao calor quando ocorre uma ruptura no equilíbrio da temperatura corporal. Habitualmente, o organismo é resfriado por meio da transpiração; contudo, em algumas situações, apenas a transpiração não é suficiente. Nessas situações, a temperatura corporal de um indivíduo pode elevar-se com rapidez, podendo danificar o cérebro e outros órgãos vitais.
Sinais e Sintomas:

  • Congestionamento (pele vermelha); Aumento da temperatura corporal; Pele seca;
  • Contração pupilar (fica pequena);
  • Dores de cabeça;
  • Náuseas ou vômitos;
  • Ventilação rápida e profunda;
  • Agitação, confusão mental, podendo evoluir para a perda da consciência;
  • Pulso cardíaco forte e irregular.

Intermação (golpe de calor):
Semelhante à insolação, mas esta é mais grave e pode levar à morte. A intermação é causada pelo aumento da temperatura corporal e pela mau resfriamento do corpo, por incapacidade de se resfriar adequadamente.
Estar desidratado, ou em ambiente muito úmido, com roupas que não deixam respirar são condições que aumentam muito o risco.
Os sintomas e sinais clínicos são:

  • Palidez;
  • Moleza corporal;
  • Suores frios e viscosos;
  • Dilatação pupilar (menina dos olhos fica grande);
  • Dores de cabeça;
  • Cansaço;
  • Tonturas e náuseas;
  • Respiração rápida e superficial;
  • Pode surgir perda da consciência (desmaio);
  • Cãibras (devido à desidratação).

shutterstock_183521318O médico alerta, ainda, sobre o choque térmico. Mudanças bruscas de temperatura, como sair da sauna e tomar uma ducha fria, ou sair do ar condicionado para a rua exige um esforço de adaptação muito grande do organismo. No calor em excesso, os vasos se dilatam e a pressão cai. Já com o frio, acontece o contrário: há uma vasoconstrição, que dispara a pressão arterial. Em ambos os casos, o coração acaba sobrecarregado. Esse processo pode ser extremamente perigoso para quem já tem alguma doença crônica ou sofre de problemas circulatórios.
Nesses casos, podem levar a arritmias cardíacas, alterações metabólicas e pulmonares e em todo o sistema cardiovascular que quando comprometido, amplia o risco de infarto e derrame cerebral, podendo até provocar uma parada cardíaca.
Incorrências comuns são as infecções respiratórias, que são facilitadas nessas condições, com alterações desde o nariz (alteração no sistema de limpeza ciliar) até o pulmão. A recomendação é manter-se sempre bem hidratado e não mergulhar na água gelada se estiver com a pele muito quente. O ideal é refrescar-se aos poucos, molhando o corpo por partes.

Recomendações para sobreviver às altas temperaturas:

1- Aumentar a ingestão de água, ou sumos de fruta natural sem açúcar, mesmo sem ter sede.

2- As pessoas que sofrem de doença crónica, ou que façam dieta com pouco sal, ou com restrição de líquidos, devem aconselhar-se com o médico.

3- Evitar bebidas alcoólicas, gaseificadas, com cafeína, ou ricas em açúcar, porque podem provocar desidratação.

4- Ter atenção especial aos recém-nascidos e crianças, idosos e doentes, mais vulneráveis ao calor e que podem não sentir ou manifestar sede. Neste grupo deve-se promover e incentivar a ingestão de água, mesmo sem sede.

5- Fazer refeições leves e mais frequentes, evitando refeições pesadas e muito condimentadas.

6- Permanecer em ambiente fresco, ou com ar condicionado, para evitar as consequências nefastas do calor, particularmente no caso de crianças, idosos ou pessoas com doenças crónicas. Se não dispuserem de ambientes frescos ou climatizados, as pessoas mais vulneráveis devem visitar centros comerciais, cinemas, museus ou outros locais que disponham de ar condicionado. Deve-se evitar as mudanças bruscas de temperatura.

shutterstock_1862220987- Tomar ducha de água fria ou tépida no período de maior calor, evitando contudo as mudanças bruscas de temperatura − uma ducha muito fria após exposição prolongada ao calor intenso pode causar hipotermia, sobretudo em idosos e crianças.

8- Evitar a exposição direta ao sol, principalmente entre 10h e 16h.

9- Usar óculos e chapéu, de preferência de abas largas, sempre que se passear ao ar livre, principalmente crianças e pessoas de pele clara.

10- Evitar a permanência em veículos expostos ao sol, principalmente nos períodos de maior calor. Se o transporte não tiver ar condicionado, não se deve fechar completamente as janelas. Nas viagens deve-se prever o suprimento adequado de água ou bebidas sem açúcar. Preferir as viagens antes ou após horários

11- Nunca deixar crianças, doentes ou idosos dentro de veículos com janelas fechadas e expostos ao sol.

12- Diminuir, sempre que possível, os esforços físicos durante os períodos de calor, e repousar em locais protegidos do sol, frescos, arejados.

13- Usar roupa larga e solta, de preferência em algodão e com cores claras.

14- Usar menos roupa na cama, sobretudo no caso de bebés e doentes acamados.

15- Evitar a entrada de calor no interior das habitações, fechando persianas e portas, mas mantendo a circulação de ar. A abertura de janelas e portas durante a noite pode facilitar a diminuição da temperatura no interior das casas.

16- Pedir ajuda, sem hesitar, a familiares ou vizinhos, no caso de má disposição ou mal-estar com o calor.

17- Troque as lâmpadas (quentes) incandescentes por de LED (frias). Essa troca também ajuda a diminuir o calor dentro de ambientes fechados, uma vez que as lâmpadas incandescentes geram muito mais calor que as demais.

18- Desligue todos os aparelhos que não estiver utilizando (celular, computador, televisão etc.). Todos eles irradiam calor.

19- Use truques para umidificar o ar interno. Vale tudo para deixar o ar menos “seco”, principalmente na hora de dormir. Utilize recipientes cheios de água fresca em cada ambiente da casa – só tome cuidado caso tenha filhos pequenos, porque mesmo pouca quantidade de água pode ser o bastante para que uma criança se afogue. Outra boa opção é encharcar toalhas de banho e espalhá-las pela casa, no espaldar de cadeiras e nas portas dos armários, por exemplo.

20- Condicione o ar, na falta de um ar condicionado…Um ventilador ligado com uma garrafa d’água congelada bem em frente é uma maneira simples e eficaz de fazer circular ar frio pelo ambiente.

Fonte: Dr. Fábio S. Cardoso – CRM-SC 11796



WordPress Video Lightbox

    ENTRE EM CONTATO.
    FALE CONOSCO OU ENVIE SUA MENSAGEM AGORA MESMO.
    AQUI, NO SITE BELEZA TODAY, ESTAMOS SEMPRE PRONTOS A ATENDER A SUA SOLICITAÇÃO!


    comercial@belezatoday.com.br | tel.: (+55 21) 2284-4336