Estudo indica que substâncias em cosméticos podem causar puberdade precoce em meninas

Certas substâncias encontradas em produtos cosméticos poderiam estar causando a puberdade precoce em meninas, sugere um estudo americano de longa duração. Não houve observação semelhante em meninos. Apesar de algumas limitações, o estudo acrescenta a outras estudos que sugerem que a exposição as desreguladores endócrinos pode afetar a idade da puberdade.

A puberdade precoce em meninas pode estar relacionada a certas substâncias encontradas em cosméticos e em suas embalagens.

O estudo, liderado por Kim Harley e Brenda Eskenazi da Universidade da Califórnia em Berkeley e publicado na revista Human Reproduction, encontrou uma relação linear entre a exposição de certos ftalatos, parabenos e fenóis e o início da puberdade em meninas [1].
Para chegar a essa conclusão, os investigadores analisaram dados de 338 bebês e suas mães. As informações vieram de um estudo realizado entre 1999 e 2008, que examinou cadeias carbônicas de ftalatos, parabenos e fenóis a partir de testes de urina das mães grávidas e, nove anos depois, testaram a urina de seus filhos atrás de sinais do início da puberdade.
MÃES E FILHOS
Pesquisadores recrutaram mulheres grávidas nos Estados Unidos em 1999-2000. A maioria deles eram latinas vivendo abaixo da linha de pobreza definida no nível federal e sem diploma do ensino médio.
Questionários foram realizados durante a gravidez das mães. A equipe de pesquisa também mediu as concentrações de diferentes moléculas na urina coletadas das mães durante a gravidez e das crianças aos 9 anos de idade.
Três tipos de substâncias foram alvo:
Três metabolitos de ftalato (ftalato de monoetilo (MEP), ftalato de mono-n-butilo e ftalato de mono-isobutilo)
metilparabeno (ou 4-hidroxibenzoato de metilo) e propilparabeno(ou 4-hidroxibenzoato de propilo),
e quatro outros fenóis (triclosan, benzofenona-3 e 2,4 e 2,5-diclorofenol).
Os três componentes químicos citados acima foram encontrados em 90% das amostras, com exceção do triclosan (um tipo de fenol), que foi detectado em 73% das amostras de urina de gestantes e 69% das amostras dos meninos e meninas de nove anos de idade.
Ao mesmo tempo, a idade da puberdade foi avaliada em 179 meninas e 159 meninos a cada 9 meses, entre 9 e 13 anos, com ao método de classificação clínica de Tanner.
EXPOSIÇÃO PRÉ-NATAL

O estudo mostrou que as meninas expostas a essas substâncias são mais propensas a ter puberdade precoce. O maior risco foi para as meninas cujas mães estavam mais expostas a três moléculas: monoetileno de ftalato (MEP), triclosan (TCS) e o 2,4-diclorofenol (2,4-DCP).
Os pesquisadores descobriram que concentrações mais altas de MEP e triclosan na urina pré-natal estavam associadas a mudanças no tempo de desenvolvimento das crianças. Quanto mais altas as concentrações, mais cedo aparecem os sinais da puberdade.
POSSIBILIDADE DE “CAUSALIDADE INVERSA”
Estudos já foram realizados em ratos (Bateman e Patisaul 2008 e Rasier et al. 2006), mostrando que fenóis, parabenos e ftalatos podem ter efeitos desreguladores do sistema endócrino. No entanto, nenhum estudo examinou os efeitos dessas substâncias em seres humanos, tanto durante o período pré-natal como durante o período pré-puberal. “Isso complica a comparação com outros estudos”, explicam os autores.
Os pesquisadores também destacam que os resultados da exposição peripubertal aos metil e propil parabenos podem refletir uma ‘causalidade inversa’. “Meninas que têm a puberdade precoce podem estar mais inclinadas a utilizar produtos de higiene e de cuidados corporais”, indicam os autores.
De fato, esses produtos químicos são rapidamente metabolizados e são encontrados muito rapidamente na urina (dentro de 24 a 48 horas). Uma a duas medições de urina por estágio de desenvolvimento podem não refletir com precisão a exposição usual.
Segundo aos autores, a outra limitação do estudo é uma amostra limitada a uma comunidade de crianças latinas pobres que vivem em comunidades rurais. Por conseguinte, outros fatores de contaminação, como pesticidas, não podem ser excluídos.
Apesar dessas limitações, os autores consideram que o estudo é metodologicamente robusto, com medidas longitudinais e biomarcadores de exposição em dois períodos críticos do desenvolvimento infantil. “Uma hipótese é que as substâncias químicas no meio ambiente podem estar desempenhando um papel, e nossas descobertas apóiam essa ideia”, disse o Dr. Harley.
Brazil Beauty News com AFP/Relaxnews
Observações
[1] Kim G Harley, Kimberly P Berger, Katherine Kogut, Kimberly Parra, Robert H Lustig, Louise C Greenspan, Antonia M Calafat, Xiaoyun Ye, Brenda Eskenazi: “Association of phthalates, parabens and phenols found in personal care products with pubertal timing in girls and boys”, Human Reproduction, 04 December 2018



WordPress Video Lightbox
ENTRE EM CONTATO.
FALE CONOSCO OU ENVIE SUA MENSAGEM AGORA MESMO.
AQUI, NO SITE BELEZA TODAY, ESTAMOS SEMPRE PRONTOS A ATENDER A SUA SOLICITAÇÃO!


comercial@belezatoday.com.br | tel.: (+55 21) 2284-4336