Sete verdades sobre a psoríase

No mundo, 125 milhões de pessoas têm psoríase. No Brasil, são 5 milhões de vítimas. Os números são da Sociedade Brasileira de Dermatologia e mostram que os esclarecimentos sobre a doença devem ser constantes para ajudar quem faz parte das estatísticas. O Dia Mundial da Psoríase, 29 de outubro, é apenas uma data para alertar quanto aos riscos e tirar todas as dúvidas, porém essa deve ser uma preocupação frequente dos profissionais em mostrar a realidade sobre essa doença.
Um dos focos dos especialistas deve ser desmistificar tanta informação falsa que se espalha por aí sobre a doença.

Sabia agora 7 verdades:
1 – Sem distinção: trata-se de uma doença inflamatória que não escolhe raça, sexo e idade. Atinge homens e mulheres, de todas as faixas etárias. Em geral, os primeiros sintomas aparecem entre os 20 e os 40 anos, no entanto essa não é uma regra.
Os pacientes relatam o surgimento de lesões e placas rosadas e/ou avermelhadas recobertas por escamas secas esbranquiçadas ou prateadas. Curiosamente elas vão embora da mesma forma surpreendente com que chegam. Esses sinais se assemelham a micoses e dermatites, suspeitas que são afastadas após a avaliação e o diagnóstico do especialista.
Alguns se queixam de coceira, outros também de queimação. Nos estágios mais avançados, há relatos de dor.
E qual a explicação para tudo isso? O motivo seria uma espécie de ataque dos anticorpos às células fabricantes de queratina que, em resposta a esse ataque, se multiplicariam descontroladamente e, com isso, iniciariam um processo inflamatório.
2 – Partes diversas: há quem diga que psoríase só aparece nos braços e na barriga. Essa é uma falsa constatação. A doença afeta várias partes do corpo, como couro cabeludo, unhas e articulações (cotovelos).
3 – Origem desconhecida: não há ainda como se apontar a causa específica. Sabe-se que pode estar associada ao sistema imunológico. Afirma-se que, em boa parte dos registros, a hereditariedade está presente. O curioso é que no histórico familiar um parente pode ter psoríase ou uma outra doença autoimune. Quer exemplos? Tireoidite de Hashimoto e vitiligo. Observa-se ainda que alguns fatores externos, como tensão e estresse constantes, podem desencadear a patologia.
4 – Não pega com abraço: engana-se quem teme manter o contato físico com vítimas da psoríase por medo de se tornar mais um paciente. Essa doença não é transmissível. Tocar, cumprimentar, abraçar, acariciar e beijar o paciente não coloca a sua saúde em risco.
5 – Sol aliado: a exposição aos raios solares é, inclusive, uma das formas de tratamento. Vale ressaltar que se recomenda a exposição moderada, nos horários mais adequados e com o uso de protetores solares, no fator adequado para o tipo de pele do paciente. A exposição sem cuidados, em períodos inadequados e excessiva pode comprometer ainda mais a saúde do paciente.
6 – Não há cura: infelizmente, os estudos e as pesquisas ainda não colocaram um basta nessa doença. Porém, há vários tratamentos que aliviam os sintomas, amenizam as crises e evitam uma piora do quadro. Cabe ao dermatologista, após avaliar as características do paciente e o grau das lesões, escolher o melhor método. É aquela história de cada caso, um caso.
O profissional pode optar por produtos para hidratar a pele, medicamentos a serem aplicados apenas nas áreas com lesões, a exposição diária ao sol (com as devidas recomendações já citadas), imunomoduladores, corticoides ou substâncias à base de Vitamina D.
Ao lado disso, está a adoção de hábitos mais saudáveis, o que inclui, inclusive, uma alimentação balanceada e a ingestão de muita água.
7- Preconceito ainda atrapalha: essa é uma grande verdade. A doença, considerada grave, deixa não só marcas físicas como psicológicas e, com isso, compromete a qualidade de vida. Quem tem psoríase, além de lidar com as lesões no corpo, precisa enfrentar a discriminação que os sintomas provocam por conta da falta de informação. Quem não tem a doença, mas procura se informar sobre os sinais, os sintomas, o fato de que não há transmissão, já dá um grande passo para ajudar quem precisa não só da ajuda profissional para controlar a doença, mas necessita de parceria para viver em sociedade, sem barreiras.



WordPress Video Lightbox

    ENTRE EM CONTATO.
    FALE CONOSCO OU ENVIE SUA MENSAGEM AGORA MESMO.
    AQUI, NO SITE BELEZA TODAY, ESTAMOS SEMPRE PRONTOS A ATENDER A SUA SOLICITAÇÃO!


    comercial@belezatoday.com.br | tel.: (+55 21) 2284-4336