Lifting facial com ultrassom microfocado atua contra a flacidez facial

Durante muito tempo, o único tratamento disponível para flacidez facial era o lifting cirúrgico. Hoje, com os avanços da tecnologia, algumas técnicas menos invasivas conseguem excelentes e duradouros resultados. “Da mesma forma que o lifting cirúrgico, o uso de lasers, ultrassons e radiofrequências também promove rejuvenescimento da face e do pescoço, visando suavização das rugas, diminuição dos pés-de-galinha, melhora da tonicidade da pele, dando firmeza e acabando com a flacidez”, explica o dermatologista Dr. Abdo Salomão, membro da Sociedade Brasileira de laser em Medicina e Cirurgia e da American Academy of Dermatology.

Vantagens — Apesar de conseguir os mesmos resultados, as técnicas menos invasivas têm algumas vantagens, por exemplo: um novo procedimento não tira o paciente das suas atividades diárias. É o ultrassom microfocado Megafocus, da Plataforma Solon. Em apenas uma sessão, o colágeno é estimulado e o músculo é atingido, sofrendo uma contração que produz efeito lifting. “Diferente de outros aparelhos, ele atinge também o músculo, enrijecendo-o e tornando-o mais firme”, explica o dermatologista.

Indicação — O procedimento é indicado a pacientes com flacidez de pele, de leve a moderada, na face, pescoço e região dos olhos.

Como age — Segundo o dermatologista, o ultrassom microfocado entrega pontos de coagulação térmica em uma série de linhas em duas profundidades: derme profunda (a 3 mm de profundidade) e na camada muscular – SMAS (sistema músculo aponeurótico, a 4,5 milímetros de profundidade). “A energia de ultrassom é focada em um ponto abaixo da superfície da pele, concentrando-se em uma área de aproximadamente de 1,5 mm cúbico por ponto. O aquecimento ocorre na derme e no sistema superficial do músculo aponeurótico (SMAS) através de pontos de coagulação”, explica. Com isso, o músculo sofre uma contração imediata ao ser atingido pelos pontos de coagulação, segundo o especialista. “Isso produz um efeito lifting, que pode apresentar evolução no período de três meses após o procedimento, quando o novo colágeno continua a ser produzido. O objetivo, então, é encurtar o músculo para tracionar a pele para cima, resultando em um efeito lifting não cirúrgico”, destaca.

Recuperação — Como age de dentro para fora, sem causar danos à epiderme, a recuperação é imediata e o paciente pode voltar às atividades de rotina no mesmo dia. Apesar disso, o dermatologista explica que, nos locais tratados, pode ocorrer inchaço, eritema, hematoma ou apresentar formigamento e leve sensação de dor muscular. “Todos estes sintomas melhoram rapidamente. Como se trata de um tratamento cuja ação é dentro da pele, não há períodos de inatividade”, completa.

Resultados — “A melhora na flacidez começa a aparecer 20 dias após o início do tratamento, mas os melhores resultados, depois de 3 meses”. As contraindicações são: gestantes, pacientes em tratamento com anticoagulantes, doença autoimune, diabetes, epilepsia, implantes, queloides e preenchedores.

Fonte: Dr. Abdo Salomão Jr é doutorando em Dermatologia pela USP (Universidade de São Paulo). Membro efetivo da Sociedade Brasileira de Dermatologia, Membro da Sociedade Brasileira de laser em Medicina e Cirurgia e da American Academy of Dermatology. Diretor da Clínica Dermatológica Abdo Salomão Junior.



WordPress Video Lightbox

    ENTRE EM CONTATO.
    FALE CONOSCO OU ENVIE SUA MENSAGEM AGORA MESMO.
    AQUI, NO SITE BELEZA TODAY, ESTAMOS SEMPRE PRONTOS A ATENDER A SUA SOLICITAÇÃO!


    comercial@belezatoday.com.br | tel.: (+55 21) 2284-4336