Dores nos pés pelo uso de salto alto podem indicar microfraturas

shutterstock_120393655O salto alto é uma das peças mais icônicas do vestuário feminino. O calçado é obrigatório para muitas mulheres que superam o desconforto em nome da elegância. Algumas vezes, no entanto, a dor causada naturalmente pelo uso destes sapatos pode ficar mais forte e persistir por meses sem melhorar. Nestes casos a mulher pode ter sofrido fratura por estresse nos pé, problema que prejudica a qualidade de vida muito além de dores crônicas e dificuldade para desempenhar movimentos básicos: pode exigir até intervenção cirúrgica.
A fratura por estresse acontece após episódios de aumento da carga nos pés, como aumentar a intensidade da corrida ou dançar muito em festas de formatura. A dor é forte e aguda, acomete apenas um dos pés e pode vir associada de inchaço nos primeiros dias. Esta dor persiste mesmo com o uso de antiinflamatórios e melhora sutilmente com o repouso, mas após esforços leves a dor volta a piorar.
Mesmo mulheres jovens e saudáveis podem apresentar este quadro, que pode estar associado ao baixo nível de vitamina D no organismo. “A mudança abrupta do tipo de treinamento físico ou do tipo de calçado, principalmente os calçados de salto, podem levar a este problema. Geralmente são mulheres jovens que podem apresentar baixos níveis de vitamina D”, explica a Dra. Tânia Szejnfeld, ortopedista integrante da Comissão Científica da Associação Brasileira de Avaliação Óssea e Osteometabolismo (ABRASSO).
A vitamina D é produzida naturalmente pelo corpo através da exposição solar na pele e tem papel importante no metabolismo ósseo, pois deixa os ossos mais fortes e resistentes. Entretanto, com a pouca exposição solar dos indivíduos na sociedade moderna, é comum identificar baixos níveis de vitamina D na população. As fraturas por estresse podem acontecer com mais frequência em indivíduos com este tipo de distúrbio.
Se a pessoa sentir dor persistente no pé, mesmo após tirar o salto, o ideal é investigar a causa. Uma radiografia deve ser feita para um diagnóstico inicial. “Se o médico identificar algo, a ressonância magnética da área é o exame mais indicado para investigação de fratura por estresse”, explica a ortopedista integrante da ABRASSO.
O tratamento leva de um a dois meses e exige imobilização, repouso e uso de bota ortopédica. “Se a fratura não melhorar pode ser necessário até mesmo o tratamento cirúrgico”, explica a Dra. Tânia.
Para evitar esta doença é fundamental que jovens e idosos tenham exposição solar de pelo menos 20 minutos por dia ou façam suplementação de vitamina D, atentem à ingestão diária de cálcio (três copos de leite) e pratiquem atividades físicas (caminhada de 40 minutos três vezes por semana).



WordPress Video Lightbox

    ENTRE EM CONTATO.
    FALE CONOSCO OU ENVIE SUA MENSAGEM AGORA MESMO.
    AQUI, NO SITE BELEZA TODAY, ESTAMOS SEMPRE PRONTOS A ATENDER A SUA SOLICITAÇÃO!


    comercial@belezatoday.com.br | tel.: (+55 21) 2284-4336